Petição Pública Brasil Logotipo
Ver Abaixo-Assinado Apoie este Abaixo-Assinado. Assine e divulgue. O seu apoio é muito importante.

Carta ao Elo nacional da REDE Sustentabilidade

Para: Elo Nacional da REDE Sustentabilidade

(petição destinada à coleta de assinaturas exclusivamente de filiados(as). Após seu fechamento, faremos comparação entre as assinaturas recebidas e a listagem de filiados de acordo com o TSE. Pedimos também que não seja divulgado entre não filiados.)


DA ALTURA DO NOSSO SONHO!


Carta ao Elo Nacional da REDE Sustentabilidade

“Se o domínio das ideias encontra-se revolucionado, a realidade não pode permanecer como ela é.”
G.W.F. Hegel

Esta carta tem o propósito de apresentar ao Elo Nacional da REDE Sustentabilidade, bem como ao conjunto de seus filiados, as razões que culminaram no afastamento de dezenas de pessoas do partido das instâncias de direção em Pernambuco, após a realização da última Conferência estadual, feita em 16 de dezembro de 2017.

A #REDE

Somos o “fruto de um movimento aberto, autônomo e suprapartidário que reúne brasileiros decididos a reinventar o futuro do país” e “uma associação de cidadãos e cidadãs dispostos a contribuir de forma voluntária e colaborativa para aprofundar a democracia no Brasil e superar o monopólio partidário da representação política institucional”. Mais ainda: “Aberta ao diálogo e construída com a participação direta de seus integrantes, a Rede Sustentabilidade é um espaço de mobilização e inovação, no qual floresce uma nova cultura política. ”
Dessa forma, a REDE Sustentabilidade se apresenta em seu site institucional e é nesse conjunto de pretensões que acreditamos e por elas nos empenhamos para fazer existir aquilo que está figurado em letras e formulações filosóficas.
O cenário político brasileiro é de todo ruim. Sem dúvidas, desde a redemocratização, jamais passamos por turbulências tão intensas, tão permanentes, tão desafiadoras, que chegam até mesmo a pôr em xeque a própria democracia, nosso frágil republicanismo e todas as instituições deles decorrentes, nas quais se incluem os partidos políticos, os quais a REDE desde sua concepção pretende atualizar e até mesmo superar. Foi para ‘hackear’ a política que nos organizamos em instâncias democráticas, abertas à participação de todos os filiados, sempre norteadas por valores e princípios consignados em nosso Estatuto, entre os quais a pluralidade política, a transparência, o pleno respeito às diversidades, a construção de consenso progressivo nas deliberações, a solidariedade e a cooperação.

A #REDE em Pernambuco

A coordenação dos trabalhos da REDE em Pernambuco está em muitas e repetidas situações na contramão do que pretendemos, fazendo com que inúmeras pessoas (lideranças políticas, sociais, sindicais, autorais, detentores de mandatos eletivos, membros fundadores e idealizadores, pioneiros e novos militantes) sejam desanimadas à participação efetiva da construção interna do partido por ter se estabelecido nele uma espécie de “Comitê Central” que, ao contrário do consenso coletivo, procura pelas vias burocráticas, cartoriais, procrastinatórias e obscuras conduzir as decisões da legenda de forma a garantir a manutenção de seu controle, em detrimento do seu crescimento e melhor desempenho.

Este modelo de gestão partidária nada mais é do que exatamente aquilo que hoje se procura superar através de ferramentas inovadoras da atuação política, da participação nos processos de decisão institucionais, de ação direta na solução dos problemas que se apresentam perenemente e exigem grandes esforços individuais e coletivos, além de ser contrário a tudo o que se propõe através do conceito do ‘fazer em rede’.

Para melhor esclarecer, porém, é preciso fazermos a divisão pedagógica de duas questões fundamentais que foram levantadas nos últimos meses:

1. Estratégia política da REDE em Pernambuco – Este ponto foi motivo de diversos debates internos desde as eleições de 2016. A aliança da REDE com o PSB, os pontos positivos disso e as dificuldades decorrentes foram intensamente revisadas até se consensuar que (como forma de garantir seu fortalecimento e crescimento, com prioridade na garantia de um palanque de suporte à nossa candidatura majoritária nacional, representada na figura inspiradora de Marina Silva, e para que tivéssemos os melhores resultados nas eleições proporcionais para Deputado Federal e Estadual) a REDE deixaria de participar do Governo de Pernambuco, entregando à sociedade seu trabalho à frente da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade, assim como da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), buscando seus próprios caminhos, mantendo diálogo com as forças com as quais tem relação histórica, mas também abrindo-se a novos diálogos com outras forças que possam ajudar o Estado e o país a enfrentar as graves crises pelas quais passamos. Para isso os filiados da REDE com cargos e funções nos órgãos citados se prepararam para a decisão que viria a ser tomada na Conferência estadual do partido, tendo o Secretário Sérgio Xavier anunciado ao Governo e à sociedade que deixaria a pasta no final de dezembro;

2. A nova coordenação do partido no Estado – Procuramos trazer à luz para discussão um processo de eleição de porta-vozes que corria ‘secretamente’, com candidaturas ‘escondidas’, com pretensões claras de conduzir os filiados a uma escolha sem debates, sem conhecimento dos processos internos do partido, sem alternativas, sem abertura para que quaisquer filiados(as) pudessem, em condições de igualdade, se apresentar. Agimos legitimamente com vistas a contemplar o conjunto dos filiados, obtendo-se o máximo de representação social, regional, intergeracional, de gênero e de ideias, garantindo-se a máxima expressão da diversidade interna, objetivos também resguardados nas intenções de nosso Estatuto. Para isso, defendemos ser imprescindível que fossem indicadas pessoas que possuíssem trajetória interna que agregasse experiência e vida orgânica partidária, capacidade de dialogar com todos e todas sem atritos ou divergências inviabilizadoras da convivência, capacidade administrativa e de gestão, visão e atitudes em consonância com a coletividade, sendo legítimos representantes da pluralidade.

Assim esclarecendo, avançamos dizendo que sobre o primeiro ponto levantado ao longo do tempo se estabeleceu uma pacificada e consensual expectativa de que a Conferência, em sua atribuição legítima, deliberasse a respeito, não havendo objeções à saída do governo . O sentimento do conjunto de filiados apontava nesta direção, bem como tinha ocorrido o adiamento da própria Conferência, anteriormente marcada para 25/11/17, mas reagendada para 16/12/17, haja vista o lançamento da pré-candidatura de Marina que ocorreria em 02/12/17, dando-se tempo aos parceiros políticos de também se posicionarem ante a decisão da REDE em participar do processo eleitoral de 2018. A decisão pelo adiamento da Conferência estadual foi definida pelo Elo Estadual na noite de 23/11/17.

Seguimos, então, na busca da melhor composição para a coordenação do partido no estado para biênio seguinte (2018-2019). Porém, nos deparamos com enormes barreiras e silêncios estratégicos em torno do processo de escolha, e a partir daí apoiamos e demos publicidade a tese “Convergência na diversidade para avançar com sustentabilidade”.

A TESE

A tese “Convergência na diversidade para avançar com sustentabilidade” foi divulgada e colocada à disposição para receber apoios em 10/12/17, no formato de petição pública, após várias e fracassadas tentativas de integrantes da Executiva do partido no sentido de abrir o debate nas instâncias, tanto na própria Executiva, como no Elo estadual.
A tese era clara e pretendia “buscar a unidade partidária como forma de conquista da coesão interna, da coerência com os princípios norteadores da política institucional do partido e da preparação para os inúmeros desafios que se apresentam no difícil contexto da política em Pernambuco”.

Também fazia uma constatação e apelo:

“E considerando que a próxima Conferência Estadual definirá a nova direção e porta-vozes, esperava-se que a atual direção do partido apresentasse com antecedência e ampla divulgação os critérios e procedimentos para a apresentação de postulações e as metodologias de construção de consensos, visando garantir um clima agregador, para unir todas as forças para o ano de grande desafio eleitoral. Infelizmente, até o momento, isso não ocorreu, mas mesmo faltando pouco tempo para a realização da conferência, esperamos que outras visões e propostas sejam apresentadas formalmente e haja disposição da atual direção de viabilizar a construção de consenso sobre as indicações.”

A tese recebeu em pouquíssimo tempo (apenas cinco dias) 95 assinaturas, dentre elas, dezoito pessoas da Executiva, do Elo estadual, do Elo mulheres, Conselho de Ética e vogais, além de filiados de ao menos doze municípios do estado, dirigentes locais, pessoas que participaram ativamente do processo eleitoral de 2016 como candidatos, Vereadora, ex-Vereador, simpatizantes, etc. (Veja a petição aqui)
Para decepção de todos e todas, o processo seguiu sem abertura para discussão sobre os nomes a serem apresentados, sem metodologia ou critérios baseados no perfil das pessoas, justamente para que outros critérios, subjetivos e susceptíveis a outras intensões fossem estabelecidos.

A REUNIÃO DO ELO ESTADUAL EM 13 DE DEZEMBRO

Esperava-se que, ainda na reunião do Elo ocorrida em 23.10.17 a questão da nova composição do próprio Elo e da coordenação executiva fosse tratada, de forma que o Elo se manifestasse com sugestões a serem propostas na Conferência, seu integrantes informassem se tinham interesse ou não de permanecer, estabelecessem as regras do processo de escolha, com a publicidade dos interessados em contribuir nas coordenações, incentivo à participação do conjunto dos filiados, etc, buscando-se a diversidade de representação, o que, porém, não ocorreu. Dali dezoito dias depois, diante do absoluto silêncio sobre as sugestões de composição do próximo Elo, foi lançada a tese “Convergência na diversidade para avançar com sustentabilidade”.

Na reunião seguinte do Elo, ocorrida em 13 de dezembro, ao ser dada sugestão de que a questão fosse ponto de pauta, houve mais uma vez a tentativa de se evitar tal assunto, havendo a sugestão de que posteriormente, em algum almoço ou café, um grupo menor debatesse a respeito. Instados a abrir a discussão, o grupo que ora centraliza as decisões do partido, ao invés de se permitirem uma escuta interessada, para conhecer o que se propunha com a tese lançada, partiu para as agressões pessoais, desconstruções e ameaças, de forma claramente intransigente e desagregadora, na contramão da busca do consenso e do respeito às opiniões, o que ficou registrado em vídeo, haja vista a reunião ter sido transmitida por grupo fechado do facebook, acessível apenas aos membros do próprio Elo. A forma como se colocaram definia cabalmente que não havia espaço para o diálogo e construção, apenas o embate, acusando os que haviam proposto legitimamente e de forma transparente a busca da convergência e da união do partido, de buscarem cindir o partido, uma vez que não apoiavam as pessoas que, segundo eles, seriam ‘candidatos naturais’. Os gritos e agressões registrados em vídeo jamais publicizado, para o bem do próprio partido, encontra-se guardado como prova da intransigência e desequilíbrio dos que ignoram o respeito, a horizontalidade e a democracia interna.

A CONFERÊNCIA REALIZADA EM 16 DE DEZEMBRO

Buscamos até o último instante o consenso das indicações para a coordenação geral (porta-vozes). Apesar da imensa rejeição ao nome pretendido para a porta-voz feminina defendido pelos que controlam o partido, rejeição esta encontrada inclusive entre eles mesmos, optaram por manter tal defesa até as últimas consequências, seguindo a intransigência estratégica com o intuito claro de obstaculizar qualquer composição. Propusemos a composição, retirando o nome do porta-voz masculino que apresentamos e buscando que aceitassem a porta-voz feminina, pessoa que era claramente adequada pelo perfil conciliador, organicidade partidária e experiência política, tendo sido vereadora, candidata a vice-prefeita e a prefeita (pela REDE, em 2016), inclusive sendo uma das coordenadoras do Elo Mulheres no estado, ao que jamais aceitaram. Já na madrugada do dia da conferência, mantendo a intransigência, deliberaram por escolher o nome de uma filiada desconhecida do conjunto de filiados e da própria direção do partido, sem vida orgânica, sem experiência conhecida, fora das instâncias, para ser a porta-voz no estado. Registramos, porém, nosso absoluto respeito pela pessoa citada que, sem ter qualquer conhecimento dos graves problemas ocorridos nos dias anteriores, foi envolvida em tal situação.

Para além dos problemas eminentemente políticos citados, a conferência ocorreu sem que fossem observadas as formalidades e condições estatutárias e das resoluções do Elo Nacional, dentre as quais:

1. Realização da conferência fora do prazo estabelecido pelo Elo Nacional (entre 1 de setembro e 30 de novembro/2017), sem sua devida anuência formal;

2. Não funcionamento do GT Eleitoral em consonâncias com as regras e prazos estabelecidos no Art. 4º da Resolução Elo nº 01/2017, tendo como consequência a não apresentação de relatório de estratégia eleitoral por parte da Executiva Estadual aos filiados presentes na Conferência, para ser debatido em rodas de conversa, em conformidade com o Art. 2º da Resolução Elo nº 10/2017, que estabelece tal debate como exigência na ‘pauta mínima’;

3. Escolha fracionada do novo Elo Estadual, em desacordo com o estabelecido no Art. 63, inc. VI, simulando-se abertura para composição com os que não estiveram presentes na Conferência por não reconhecerem os processos anteriores como democráticos e transparentes, não tendo ocorrido interesse por tal composição anteriormente, apesar dos nossos esforços neste sentido;

4. Não escolha de delegados nas conferências municipais nas condições estabelecidas pelo Art. 3º da Resolução Elo nº 10/2017, havendo-se flagrante desrespeito a tais requisitos, a exemplo do ocorrido na Conferência de Recife, onde se estabeleceu ‘eleição de consenso’ para escolha de delegados além da quantidade permitida, tendo sido pedida a Ata da Conferência para verificação do quórum, o que não foi atendido até a presente data;

5. Não observância do prazo limite de credenciamento dos que participaram da Conferência Estadual, conforme estabelecido no Art. 4º da Resolução Elo nº 10/2017 como forma de se atingir quórum maior do que o que efetivamente participou;

6. Não regulamentação das condições e prazos de apresentação de teses ou resoluções à Conferência, não havendo publicidade das mesmas anteriormente nos canais de comunicação da instância Estadual, possibilitando o conhecimento, debate e recebimento de emendas, conforme estabelecido no Art. 5º da Resolução Elo nº 10/2017;

7. Não divulgação de lista de Delegados enviados pelos municípios, apesar de solicitado, de forma a obstaculizar o contato com os mesmos;

8. Não definição por parte da Conferência, instância adequada, da ordem de suplência do Elo Estadual, conforme estabelecido no Art. 6º, §4º, da Resolução Elo nº 10/2017;

9. Não escolha do Conselho Fiscal e da Comissão de Ética do novo Elo Estadual, conforme estabelecido no Art. 9º da Resolução Elo nº 10/2017;

10. Não definição do Conselho Político Cidadão na Conferência, instância adequada, conforme estabelecido no Art. 2º da Resolução Elo nº 10/2017;

11. Não divulgação do censo partidário com a quantidade total de filiados no estado e da quantidade dos filiados em condições estatutárias de participação, conforme estabelecido no Art. 62, §1º, do Estatuto;

12. Não divulgação oficial até a presente data dos membros eleitos do Elo Estadual, da Executiva Estadual e até mesmo da Ata da Conferência realizada em 16 de dezembro de 2017;

13. Uso de dinheiro do fundo eleitoral para financiamento de aluguel de veículo e pagamento de despesas de integrantes da Executiva Estadual que já pretendiam se apresentar como candidatos a porta-vozes, em claro contrassenso ético, não garantindo-se a outros interessados o alcance às bases do partido nos municípios;

14. Não prestação de contas do partindo da gestão que termina, apontando os recebimentos e gastos, sobretudo para a organização da Conferência, possibilitando a transparência e consequente fiscalização do conjunto de filiados e filiadas;

15. Não transmissão da Conferência pelo meio de comunicação democraticamente mais acessível da REDE, ou seja, pela página oficial do partido no facebook, restringindo-se à transmissão via aplicativo específico, informada apenas em grupo de whatsapp de filiados, que conta com 155 participantes, não sendo acessível, portanto, ao conjunto de filiados e filiadas de todo o Estado, em pleno desacordo com o Art. 1, § 2º da Resolução Elo 10/2017 que estabeleceu que a Conferência deveria ser “transmitida pela internet e divulgada nos canais de comunicação disponíveis da REDE, como forma de garantir a mais ampla participação dos (as) filiados (as).”

Todas as irregularidades apontadas, para além de demonstrar a ausência de transparência, atenta contra os princípios basilares da REDE Sustentabilidade e podem embasar ação judicial que busque reparo aos danos causados ao conjunto de filiados e à própria imagem do partido perante a sociedade, uma vez que se propõe ser uma alternativa à velha política partidária.

ENCAMINHAMENTOS

Somos filiados e filiadas orgânicos do partido. Somos diferentes em saberes, experiências e em algumas ideias, mas convergentes em princípios e sonhos. Somos lideranças descentralizadas, multi-representativas e autorais. Somos, da REDE, os fios que a tecem, paralela e transversalmente, na qualidade de fundadores, dirigentes estaduais, dirigentes municipais, detentores de mandatos eletivos, representantes de movimentos sociais e classistas, estudantes, etc, dispostos a contribuir com o melhor para o fortalecimento do partido no Estado, inclusive com candidaturas para o pleito de 2018. Mesmo assim, ao invés de procurar agregação, manter diálogo permanente e buscar consensos, o grupo que controla a sigla no Estado buscou o caminho do enfrentamento e da desconstrução, com narrativa desrespeitosa sobre a situação atual, apontando como origem dos problemas questões de estratégia política e eleitoral que tinham sido comprovadamente superadas, obliterando os reais motivos que nos levaram ao não reconhecimento do processo de escolha da nova direção e, portanto, da legitimidade da Conferência estadual ocorrida em 16 de dezembro de 2017.

Como forma de corrigir tais irregularidades e na tentativa de pacificar o partido, integrar o conjunto de seus filiados e filiadas, democratizar os espaços de direção e, assim, atender aos princípios norteadores da nossa atuação partidária é que propomos o que segue:

1. Realização de nova Conferência estadual, corrigindo as irregularidades apontadas, reconhecendo-se os delegados regularmente eleitos, após revisão do processo de escolha nos municípios, com mediação de membros da Executiva Nacional, como forma de agregar efetivamente a todos os que integram o partido em Pernambuco;

2. Abertura de canal de comunicação direta com os abaixo-assinados e demais apoiadores para que possamos ter pleno conhecimento das decisões e movimentações do partido no Estado;

3. Garantias claras de que nossas candidaturas apresentadas para 2018 terão atendimento igualitário e equânime das outras candidaturas que eventualmente se apresentem, garantindo-se acesso ao tempo disponível para propaganda eleitoral nos diversos meios de comunicação previstos em lei e canais de comunicação do partido, bem como ao fundo partidário;

Assim, por considerar frustrada a expectativa de ver aplicado o conceito de ‘rede’, representando a capacidade de agregar forças, ideias e representações, colaborando para a ‘democratização da democracia’ interna, fazendo do consenso uma metodologia prioritária e da horizontalidade a maior ferramenta de tomada de decisões; considerando também todas as problemáticas levantadas quanto às formalidades exigidas para que a Conferência estadual ocorresse, bem como a indisposição daqueles que hoje mantém o controle interno do partido para o diálogo; e considerando ainda que, após ‘ofertadas’ cinco vagas no Elo estadual, como amplamente conhecido, ocorreu de nossa parte a sugestão de ser feita uma ‘conferência complementar’, como uma espécie de conferência que fechasse o ciclo aberto pela anterior, não concluído, onde tivéssemos uma eleição das coordenações de fato plural e representativa, oportunizando, nessa ‘conferência complementar’, o lançamento das nossas pré-candidaturas majoritárias e proporcionais, num clima amistoso e positivo, tendo sido tal proposta rejeitada; declaramos que não reconhecemos a Conferência estadual realizada em 16/12/17 como regularmente realizada, solicitando, assim, deliberação do Elo nacional da REDE no sentido de refazê-la, buscando-se no processo a aproximação dos hoje dispersos e desestimulados a participar das instâncias da REDE por vê-las comprometidas.

E por conhecermos o difícil caminho que trilhamos até aqui, não podemos deixar de registrar que tão alto quanto o nosso sonho de ver a REDE Sustentabilidade ser um mecanismo eficiente de atualização da política, assim é nossa tristeza ao vê-la refém daquilo que dos outros partidos rejeitamos. Igualmente alta, porém, é a nossa esperança e disposição para a luta em defesa dos grandes ideais pelos quais militamos e entregamos nosso suor em ações voluntárias e sacrifícios pessoais.

Assim, nós, filiados e filiadas abaixo relacionados(as), aprovamos o conteúdo e o encaminhamento da presente carta ao Elo nacional, aguardando rápido posicionamento e nos colocando à disposição para esclarecimentos.

Recife, 12 de janeiro de 2018.

********************************************************************
Esta lista de assinaturas está em constante atualização.
********************************************************************
Essa petição será fechada em 15.01.2018
********************************************************************
Assinam:

Albérico Lacerda – Ex-Coord. Executivo da REDE/PE / Porta-voz da REDE Petrolina
Altemir Santos Jolvino - Rede Petrolina
Alexandre da Silveira Lins - Porta-voz da REDE Primavera
Ana Alice de Souza Leal Numeriano Sá – REDE Floresta
Ana Gleide De Souza Leal Sá - Porta Voz REDE Floresta
Ana Clara Numeriano de Sá Gomes - REDE Floresta
Arthur César Leal Numeriano de Sá - REDE Floresta
Ana Beatriz Leal Numeriano de Sá - Vereadora REDE / Floresta - PE
Bruno Felipe Monteiro de Melo Dantas - REDE Paulista
Cláudio Gomes Correia Filho - REDE Floresta
Douglas Lemos - Ex-Coord. Ex. Mov. Soc. e Ativismo REDE/PE / Porta-voz da REDE Lagoa do Ouro
Emanuel de Oliveira Gomes - Ex-Coord. Exec. de Mov. Sociais e Ativismo REDE/PE / Ex-Coord. Finanças REDE Olinda
Emerson Andrade da Silva - REDE Recife
Elielma de Fátima Damasceno Monteiro - REDE Igarassu
Eurico Freire da Silva Junior - Ex Vogal da REDE/PE, EX -Vereador REDE/ Recife e Atual Secretário Adjunto de Turismo , Esporte e Lazer na Prefeitura do Recife
Elias Souza Neto - REDE Floresta
Eclesia Virginia do Nascimento Silva - REDE Araçoiaba
Fernando Gouveia - Ex-Coord. Exec. de Finanças REDE/PE
Fernando Holanda - REDE Recife
Gilmar Leal de Sá - REDE Floresta
Gilmar Gonçalves da Silva - REDE Igarassu
Genilse Maria Candido Gonçalves- Ex- Membro do ELO/PE
Iêda Maria de Sá - REDE Floresta
José Paulo Dantas da Silva - REDE Paulista
José Mário de Souza Flor e Sá - REDE Floresta
Jose Lucas da Silva oliveira - REDE Lagoa do Ouro
Jocenyr felix da silva - REDE Araçoiaba
Kleyson Alves Cavalcanti - REDE Floresta
Leandro Souza – REDE Recife
Leonardo Rodrigues de Souza – Porta Voz REDE Floresta
Lucas Carvalho – Coord. de Finanças REDE Recife
Márcia Maria Alves de Barros Monteiro – REDE Recife
Marluce Mercês - Coordenadora do Elo Mulheres/PE e Porta-voz da REDE Palmares
Maria Guilene Herculino Silva - REDE Jaboatão
Maria Luciana nunes - REDE Recife
Mariana Bezerra de Lima- REDE Igarassu
Maria da saúde da Silva Nunes- REDE FLoresta
Maria Vileide Lins- REDE Recife / Ex membro do Conselho de Ética
Maria José Silva de Lima - REDE Igarassu
Maria Erivalda Da Silva Rodrigues - REDE Floresta
Maria Janeide de Sá Gomes Vilarim- REDE Floresta
Maria Izabele Noronha - REDE Recife
Marcos Victor do Carmo Loiola- REDE Petrolina
Neuza Lins de Lima - REDE Primavera
Otavio Augusto de Arruda Santos - REDE Araçoiaba
Osvaldo Ferreira dos Santos Junior - REDE Araçoiaba
Patricia Xavier - Ex-Membro do Elo REDE/PE
Paulo Teixeira de Farias - EX Membro do Conselho de Ética
Paulo de Souza Bezerra - REDE Igarassu
Roberval Lins de Lima - REDE Primavera
Ricardo Ribeiro da Silva - REDE Araçoiaba
Rivanda Fonseca de Arruda - REDE Carpina
Renata da silva marques- REDE Araçoiaba
Sergio Luis de Carvalho Xavier- Ex Vogal REDE PE; EX Sec.de Meio Ambiente e Sustentabilidade de PE
Sylvia Gomes da Costa - REDE Recife
Victor de Araujo Lima - Ex-Membro do Elo REDE/PE
Victor Simões Leal - Ex-Coord. Exec. de Juventude da REDE/PE
Walber Allan de Santana - Ex-Coord. Exec. de Formação REDE/PE
Walter Blossey - REDE Recife

#Em processo de confirmação do Município em que são filiados:
Germano Brandes





Qual a sua opinião?

O atual abaixo-assinado encontra-se alojado no site Petição Publica Brasil que disponibiliza um serviço público gratuito para todos os Brasileiros apoiarem as causas em que acreditam e criarem abaixos-assinados online. Caso tenha alguma questão ou sugestão para o autor do Abaixo-Assinado poderá fazê-lo através do seguinte link Contatar Autor
Já Assinaram
66 Pessoas

O seu apoio é muito importante. Apoie esta causa. Assine o Abaixo-Assinado.

Outros Abaixo-Assinados que podem interessar