Petição Pública Brasil Logotipo
Ver Abaixo-Assinado Apoie este Abaixo-Assinado. Assine e divulgue. O seu apoio é muito importante.

Estupradores e Pedófilos: Prisão perpétua já! Prisão perpétua hoje! Prisão perpétua agora!

Para: Exmo Sr. Presidente da República, Exmo Sr. Governadores dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal, Câmara dos Deputados, Congresso Nacional, Empresas e Comércios

“Estuprador tem de ficar preso pelo resto da vida” (se estuprar é ter vida).

Neste tempo, em que vivemos nunca se ouviu falar tanto a respeito do estrupo. Nunca se ouviu falar tanto de crianças sendo molestadas, abusadas, violadas, estupradas. Nunca se ouviu falar tanto de crianças perdendo sua história, sendo machucadas na no corpo, na alma e no espírito. Nunca se ouviu falar tanto de pais/homens que estupram suas próprias filhas, violentam as filhas de sua vizinha, machucam suas próprias sobrinhas, abusam de suas vizinhas, crianças, estas que têm suas vidas dilaceradas por um simples prazer monstruoso. Seria isso, um mero prazer? Seria isso uma monstruosidade? Ou uma doença? Ou algo sobrenatural que vive destruindo tudo o que se chama família, que ainda não foi estudado? Porque somente nos dias de hoje, tal ato ainda é repudiado em sua divulgação?

Não obstante, os jornais tentam repassar uma realidade que, na verdade, ainda não é a realidade. Uma Nota Técnica, número 11, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA traz uma estimativa no Brasil, em Nota Técnica, por (Cerqueira; Coelho, 2014, pg. 26), que diz “Estimamos que, a cada ano, no mínimo 527 mil pessoas são estupradas no Brasil.” O mesmo documento produz o seguinte dado:

Nos registros do Sinan, verificamos que 89% das vítimas são do sexo feminino, possuem em geral baixa escolaridade, sendo que as crianças e adolescentes representam mais de 70% das vítimas. Em 50% dos incidentes totais envolvendo menores, há um histórico de estupros anteriores. Trata-se de dados alarmantes, pois se sabe que o estupro, além das mazelas de curto prazo, gera consequências de longo prazo, como diversos transtornos, incluindo depressão, fobias, ansiedade, abuso de drogas ilícitas, tentativas de suicídio e síndrome de estresse pós-traumático. Tal fato, ocorrendo exatamente na fase da formação individual e da autoestima, pode ter efeitos devastadores sobre a sociabilidade e sobre a vida dessas pessoas. (grifo nosso)

Isso, portanto, é alarmante ainda mais, ou seja, os dados trazem apenas aqueles casos que são denunciados. Não condizem com dados reais, uma vez que a mesma Nota Técnica relata em seus autos o seguinte dado:

Obviamente, sabemos que tal análise é condicional ao fato da vítima de estupro ter procurado os estabelecimentos públicos de saúde. Portanto, os resultados devem ser encarados com certa cautela, uma vez que pode haver algum processo de autos seleção, que faz com que determinado tipo de vítima procure relativamente mais estes órgãos. (grifo nosso)

Com isso, tais dados são relativos, uma vez até os dias de hoje, muitas vítimas, sejam crianças ou adolescentes, ou ainda adultas encaram tal denúncia como uma forma de “represálias”. Se uma pessoa adulta tem medo de efetuar o ato da denúncia por ter sido ameaçada de receber represálias, quanto mais um bebê, uma criança de 4 a 6 anos ou em qualquer idade até a adolescência. É fato, que os sintomas logo começam a aparecer. E os pais, seja por uma vida corrida, falta de percepção, falta de cuidado ou até mesmo por medo do próprio “destruidor de almas”, acabam por não notar, ou se notam, não entendem o que a criança está tentando repassar a eles, burlando todo o sentido dos sintomas.

Muitos destes sintomas geram dificuldades como levantar cedo, não querer ir a escola, não querer participar de aniversários e festas, não querer participar de determinados eventos ou atividades com os próprios pais, deixam de brincar como brincavam antes com suas bonecas ou carrinhos. Acabam estas crianças, por estabelecerem determinados padrões de comportamentos, de tal forma a tentar ficar o mais longe possível do agressor. Sintomas estes que os pais/responsáveis entendem como “preguiçinha”, “sonolência”, “pitis”, “raivinhas”, “medinho”, “corpo mole”, “frescuras”, etc. São inúmeras palavrinhas que pais/responsáveis conseguem incrivelmente localizar em seus vocabulários, no momento em que a criança apresenta os sintomas, para driblarem o simples e grande “sintoma estratégico” da criança para não se eximirem de enviar seus filhos à escola, ao balé, ao curso de instrumentos musicais, ao curso de artes marciais, enfim, aos diversos lugares de que a legislação orienta e determina: “manter o filhos na escola”, “liberdade de ser educado”, como “direito da criança” e “dever dos pais/responsáveis e do Estado” em sua oferta.

Então, por isso, pode-se perceber que as violências contra as crianças e adolescentes influenciam em toda sua vida futura: na infância, na adolescência, na puberdade, na vida adulta com um todo, como foi mencionado no trecho da Nota Técnica. É necessário que todas as pessoas entendam que o ato de uma criança ser violentada, seja em agressões sexuais ou físicas, ou ambas, é chamado no tempo presente como “cultura do estupro”. Ou seja, há uma cultura advinda de grupos que simplesmente pelo “bel prazer”, fazem com que tal ato seja um ato comum, um ato que se possa ser introduzido na sociedade com uma comunidade. Isso é absurdo.

Estes que fazem e cumprem tal ato, acabam por nunca entenderem o que é um sentimento de uma criança, o que a doçura e a inocência de uma criança, o que depois de ser violentada e se atrapalhar por toda uma vida adulta. Isso, quando não acontecem como Hoje, pessoas adultas, que são levadas a cometerem os mesmos atos a que foram submetidos: estupros, agressões sexuais físicas e psicológicas; suicídios, mortes individuais ou em grupo, e tudo o que, em suas mentes, foram divulgadas como ato comum de se cometer com outras pessoas.

Parte-se do pressuposto que, a criança quando está no ventre materno, recebe da mãe toda e qualquer percepção externa, ou seja, recebe o afeto, o carinho e todos os bons sentimentos para com ela; de certa forma, todo e mau sentimento para com o seu ser: raiva, ódio, rancor, etc. Se isto ocorre quando está ainda no ventre da mãe, quanto mais em local externo, após o nascimento, crescimento e desenvolvimento. Ela, de fato, percebe e recebe tais atos com maior clareza, pois tudo o que for exposta a ela, terá um contato ainda mais pessoal.

Dados, por exemplo, de uma simples pesquisa no Google Notícias, trazem notícias nada boa. O Google Notícias trouxe em 06/08/2019, uma matéria publicada em 06/08/2019, 06h39min, por Roseann Kennedy - Repórter da TV Brasil, em Brasília, traz algo estarrecedor, com o seguinte título: “Damares diz que Brasil enfrenta “epidemia de suicídio”“. Nesta matéria, é possível aliar, infelizmente, os dados relatados de suicídios entre crianças de apenas 06 anos com dados mencionados acima sobre os estupros. Uma comparação causa x consequência. Uma das falas é estarrecedora:

Todos eles que estão se autoflagelando e tentando o suicídio falam que estão com dor na alma. E a gente não pode subestimar isso. Não subestime e, por favor, não recrimine. Não use essa frase ‘é frescura, quer aparecer’. Não é! Essa geração está em profundo sofrimento. Nós vamos ter que entender, saber o que está causando esse sofrimento. Essa geração não sabe lidar com conflitos. (grifo nosso)

Esta aí: os motivos, causas e consequências, que os monstros pais/responsáveis/homens/adolescentes, causam nas crianças com um todo. É de se generalizar sim. As consequências trazidas ao corpo alma e espírito de uma criança, em sua plena inocência, em seu pleno estado de aprendizagem e desenvolvimento, são convertidas em uma das maiores epidemias, conforme é relatado por uma ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, que não está em seu lugar à toa. Quando a criança, nesse estado deveria estar aprendendo a ser criança, a ter infância, a ser uma adolescente consciente, e posteriormente a ser um cidadão, Não se pode subestimar isso. Somente alguém que passou pelo ocorrido mencionado sabe o que se está sendo dito neste “post”. Apenas quem passou pelo assunto em questão, seja criança, adolescente ou adulto, sabe o quanto difícil é suportar toda dor, seja física, psicológica e espiritual; enfim, sabem o que este “post” está trazendo: “uma vontade enorme de seu agressor ser preso de forma perpetua”.
Nas matérias em questão, disponibilizadas nos links, vocês podem notar que há uma delas, que traz em seu conteúdo que “muitas crianças passam pela agressão e monstruosidade, ao menos por mais de 01 vez”. Quando não é pelo pai, é pelo padrasto; quando não, ex-padastro, quando não, pelo irmão; quando não, pelo tio mais querido e confiável da família; quando não, pelo vizinho; quando não, por um professor, quando não, por um vigilante da escola; quando não, por alguém que, a qualquer custo, deseja vingar-se da família por motivos banais; quando não, por algum monstro que ao passar pelo local e observa uma criança, indefesa, inocente, ingênua, toda feliz com sua vida, com o mundo descoberto, com seus pais, com sua escola, com sua infância de criança, acha a oportunidade, para “monstruar” esta criança.

Deseja-se aqui, com este “post”, e não iremos falar mais, não por falta de espaço, mas pela matéria ser muito comovente, desafiadora, extremamente delicada, mas sim, deixar nossa indignação com um país tão rico com o Brasil, pessoas tão ricas em sua beleza e cultura. Um País que tem tudo para proteger suas crianças tanto dos “monstros” internos como dos externos, acaba por deixar as virtudes do amor aos seus próprios filhos, pois quando se violenta uma criança, todas são violentadas.

Queremos justiça! Queremos paz! Queremos que nossas crianças sejam libertas, de tudo aquilo que causa e fomenta a “cultura do estupro” em suas vidas. Queremos que os agressores sejam presos, mas eternamente em suas fantasias monstruosas, em suas doenças irregeneráveis, em sua conduta imoral, infanticida, imatura, demoníaca. Não existe comportamento, não existe estudo que comprovem se é ou não doença: sabemos que é uma doença pelo fato de apenas querer fazer mal a um simples bebê, que nasceu para vencer e não para perder. Vamos juntos nessa: PRISÃO PERPÉTUA PARA TODO E QUALQUER CASO DE ESTURPRO! São irregeneráveis, pois estes saem do sistema penitenciário, irressociáveis, colocando nossos filhos, nossas crianças a perigo extremo. Chega de esses indivíduos monstros saírem da cadeia e cometerem os mais bárbaros sintomas horrendos e prejudiciais às nossas crianças.

Estupradores: Prisão perpétua estuprador já! Prisão perpétua hoje! Prisão perpétua agora!
Observação: se você sabe, conhece, de alguém que pratica essa barbárie, denuncie. Mesmo que não seja criança, denuncie. Mesmo que seja menino ou menina, adolescente homem ou adolescente mulher, e seus gêneros, mesmo que seja homem, ou mulher: tanto o agressor como a vítima. Salve a alma de alguém. Não tenha medo, mate esse monstro deixando-o em uma prisão eterna, mesmo que te custe perder algo, dinheiro, mudar de sua casa, ir para outro bairro, cidade, ou país: “denuncie”.
Disque 100. https://www.mdh.gov.br/informacao-ao-cidadao/disque-100

Autor: Marcos Roberto da Silva Carneiro (não tenho medo, fui vítima desse sistema bárbaro, lucrativo, horrendo e demoníaco)

LINKS PROPOSTOS PARA LEITURA
(não está organizado como manda a ABNT)

"Sou uma prova viva de que meu pai é um estuprador"... - Veja mais em https://www.uol.com.br/universa/noticias/bbc/2019/08/05/sou-uma-prova-viva-de-que-meu-pai-e-um-estuprador.htm?cmpid=copiaecola: https://www.uol.com.br/universa/noticias/bbc/2019/08/05/sou-uma-prova-viva-de-que-meu-pai-e-um-estuprador.htm

Atlas da Violência 2018: Crianças são maiores vítimas de estupro no país: https://oglobo.globo.com/brasil/atlas-da-violencia-2018-criancas-sao-maiores-vitimas-de-estupro-no-pais-22747251

Bebê é sequestrado por dois homens e sofre estupro coletivo: https://meuestilo.r7.com/filhos/bebe-mamae/bebe-e-sequestrada-por-dois-homens-e-sofre-estupro-coletivo-01082019?utm_source=taboola

Brasil registra 164 casos de estupro por dia em 2017: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2018/08/10/brasil-registra-164-casos-de-estupro-por-dia-em-2017.ghtml

Brasil registra 606 casos de violência doméstica e 164 estupros por dia
Damares Alves: abuso não se justifica nem se explica, se pune: http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2019-08/damares-alves-abuso-nao-se-justifica-nem-se-explica-se-pune

Damares diz que Brasil enfrenta "epidemia de suicídio": http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2019-08/damares-diz-que-brasil-enfrenta-epidemia-de-suicidio

''Ela gritava muito'', diz vizinho de adolescente estuprada e morta: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2019/08/05/interna_cidadesdf,775654/ela-gritava-muito-diz-vizinho-de-adolescente-estuprada-e-morta.shtml

Estima-se que menos de 10% dos estupros sejam comunicados à polícia: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/08/brasil-registra-606-casos-de-violencia-domestica-e-164-estupros-por-dia.shtml

Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde (versão preliminar): http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=21842

Estupro: antes pelo ex-padastro e agora pelo tio: https://jornaldebrasilia.com.br/nahorah/estupro-antes-pelo-ex-padrasto-e-agora-pelo-tio/

Nota Técnica - 2014 - março - Número 11 - Diest
O atirador de Dayton tinha uma banda de pornogrind que fazia músicas sobre estuprar e matar mulheres: https://www.vice.com/pt_br/article/j5yekp/exclusivo-o-atirador-de-dayton-tinha-uma-banda-de-pornogrind-que-fazia-musicas-sobre-estuprar-e-matar-mulheres

TD 2313 - Estupro no Brasil: vítimas, autores, fatores situacionais e evolução das notificações no sistema de saúde entre 2011 e 2014: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=30474&catid=397&Itemid=424

Um estupro a cada 11 minutos, dados pela Unifesp – Universidade Federal de São Paulo: https://www.unifesp.br/reitoria/dci/edicao-atual-entreteses/item/2590-um-estupro-a-cada-11-minutos.
  1. Actualização #1 Absurdo: mais um maníaco solto!

    Criado em segunda-feira, 19 de agosto de 2019

    Pessoal, acessem esta matéria. Mais uma matéria de encher nossos olhos de fúria. Não quero causar ódios ao coração de ninguém. Mas, um desgraçado desses tinha que ficar o resto da vida na cadeia. O juiz que fez isso, deve não ter filhos ou filhas, nem mãe, nem avó, nem sobrinhas ou sobrinhos. É porque nunca teve um de seus parentes com sonhos interrompidos. Leiam mais uma matéria absurda que este Brasil aceita. "Maníaco do Anchieta recebe liberdade condicional e será solto" Link: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2019/08/17/interna_gerais,1078007/maniaco-do-anchieta-recebe-liberdade-condicional-e-sera-solto.shtml





Qual a sua opinião?

O atual abaixo-assinado encontra-se alojado no site Petição Publica Brasil que disponibiliza um serviço público gratuito para todos os Brasileiros apoiarem as causas em que acreditam e criarem abaixos-assinados online. Caso tenha alguma questão ou sugestão para o autor do Abaixo-Assinado poderá fazê-lo através do seguinte link Contatar Autor
Já Assinaram
6 Pessoas

O seu apoio é muito importante. Apoie esta causa. Assine o Abaixo-Assinado.

Outros Abaixo-Assinados que podem interessar