Petição Pública Brasil Logotipo
Ver Abaixo-Assinado Apoie este Abaixo-Assinado. Assine e divulgue. O seu apoio é muito importante.

QUEM TEVE POLIO MILITE FORAM VITIMAS DA DITADURA MILITAR,QUEREMOS INDENIZAÇÃO,POIS ATÉ NOS DIAS DE HOJE ESTAMOS COM SEQUELAS E PRECISAMOS DE TRATAMENTOS PARA PÓS POLIO

Para: Òrgão do Governo Federal

. POLIO MILITE FORAM VITIMAS DA DITADURA VAMOS FAZER ASSINATURAS PARA RECEBER INDENIZAÇÃO,POIS ATÉ NOS DIAS DE HOJE ESTAMOS COM SEQUELAS E PRECISAMOS DE TRATAMENTOS PARA A PÓS POLIO,QUE DANIFICA MAIS AINDA O CORPO DO DEFICIENTES

mfonsecca@hotmail.com.br;
https://www.facebook.com/partidodeinclusaosocialeassecibilidade
https://www.facebook.com/partidodepessoascomdeficiencia

.QUEREMOS INDENIZAÇÃO,PORQUE TODOS OS DEFICIENTES ( POLIO MILITE E PÓS POLIO) FOI E É VITIMAS DA DITADURA MILITAR VAMOS FAZER ASSINATURAS PARA RECEBER INDENIZAÇÃO POR TODO OS SOFRIMENTOS CAUSADOS PELA POLIO MILITE pois na década de 50 ja tinha crianças que foram vítimas da epidemia de poliomielite,e o Médici não fez nada pra os brasileiros ter a injeção.
E NEM O GOVERNO EM NEM NINGUEM SOCORREU OS DEFICIENTES,NÃO DERAM MEDICAMENTOS,NÃO DERAM APARELHOS ORTOPÉDICOS,NÃO DERAM APARELHO RESPIRATÓRIO,NÃO DERAM ATENÇÃO SOCIAL E NEM PSICOLOGICA,NA ÉPOCA DE CRIANÇAS MINHA MÃE GASTAVA TUDO QUE ELA TINHA PRA CUIDAR DE MIM,COM REMÉDIOS FORTES,NÃO DERAM MÉDICOS,E NÃO DERAM APOSENTADORIA NA ÉPOCA DE CRIANÇA,OS PAIS DOS DEFICIENTES QUE TINHA QUE FAZER DE TUDO PELOS FILHOS DEFICIENTES DE CAMA.

Governo Médici acusado de ocultar poliomielite.

Partido de Inclusão Social Governo Médici acusado de ocultar poliomielite.

“O professor Albert Sabin”, descobridor da vacina contra a poliomielite, acusou ontem o governo do ex-presidente Garrastazu Médici de ter manipulado dados referentes às condições de saúde no Brasil, no período entre 1969 e 1973, principalmente os relacionados a surtos epidemiológicos.

.O governo do general Garrastazu Médici manipulou os dados referentes à saúde no Brasil, principalmente os que diziam respeito a surtos epidemiológicos, revelou ontem o cientista Albert Sabin. Segundo ele, que nos últimos 20 anos esteve no Brasil estudando casos de poliomielite e outras doenças epidemiológicas, "os relatórios encaminhados à Organização Mundial de Saúde apresentavam estatísticas duvidosas, o que somente agora eu posso confirmar".

A grande mídia nacional esta calada a mais de 30 anos em referencia a denuncia feita pelo professor Albert Sabin. A acusação foi feita em entrevista concedida por Sabin no Ministério da Saúde, em Brasília, na presença dos ministros Valdir Arcoverde e Jair Soares, da Saúde e da Previdência Social, em 04 de março de 1980 (Publicado na Folha de São Paulo, quarta-feira, 5 de março de 1980).


"Denunciada manipulação de dados a respeito da poliomielite no Brasil, entre 1969 a 1973." Negligência que resultou em 63% de vitimas infectadas com o vírus da pólio.
http://sindromepospoliomielite.blogspot.com.br/2014/03/denunciada-manipulacao-de-dados.html?spref=fb

Governo Médici acusado de ocultar poliomielite.

A medicina atual acaba de dar uma definição médica para descrever os sintomas de uma doença até então não catalogada. Chame-se Síndrome "pós-pólio" e na Espanha afetou mais de 40.000 crianças que na década de 50 foram vítimas da epidemia de poliomielite.


Para aqueles não familiarizados com o assunto, devo esclarecer que a vacina contra a poliomielite estava operacional em 1955, desenvolvida por Jonas Salk, no início da década de 1950, e que foi capaz de reduzir drasticamente o número de casos clínicos nos países em que foi empregada, não chegou a ser utilizada em ampla escala no Brasil. Na época, os altos custos e as dificuldades operacionais para aplicação em larga escala de produto injetável acabaram adiando o uso da vacina entre nós. No final da mesma década, iria surgir a vacina oral, criada principalmente por Albert Sabin. As vacinações sistemáticas contra a poliomielite foram introduzidas na rotina dos serviços de saúde pública do Brasil, em 1960, na cidade de Petrópolis (RJ). Nesse plano piloto, foi utilizada apenas a vacina monovalente, contendo o sorotipo 1, seguida de duas doses trivalentes (sorotipos 1, 2 e 3). Tal esquema de vacinação não foi adotado posteriormente, preferindo-se usar apenas vacinas trivalentes. Os programas de imunização não tiveram, entretanto, a abrangência e a continuidade necessárias para o controle da doença, o que resultou na permanência da poliomielite como um importante problema de saúde pública no país (Meilman et alii, 1988).

Condenado estas pessoas atingidas pela pandemia a uma negligência que resultou em 63% de vitimas infectadas com o vírus da pólio, um descuido que qualquer um que tenha o bom senso deve se sentir envergonhado, uma vacina simples poderia ter evitado a transmissão á estas pessoas que foram afetadas entre os anos de 1968/1980, este período é a mais alta taxa de infecção, condenando milhares de indivíduos e suas famílias a sofrer os efeitos da poliomielite, a nossa Pátria mãe tão distraída sem perceber que era subtraída em tenebrosas transações.

A grande mídia nacional esta calada a mais de 30 anos em referencia a denuncia feita pelo professor Albert Sabin. A acusação foi feita em entrevista concedida por Sabin no Ministério da Saúde, em Brasília, na presença dos ministros Valdir Arcoverde e Jair Soares, da Saúde e da Previdência Social, em 04 de março de 1980 (Publicado na Folha de São Paulo, quarta-feira, 5 de março de 1980).

“O professor Albert Sabin”, descobridor da vacina contra a poliomielite, acusou ontem o governo do ex-presidente Garrastazu Médici de ter manipulado dados referentes às condições de saúde no Brasil, no período entre 1969 e 1973, principalmente os relacionados a surtos epidemiológicos.

O cientista, que nos últimos 20 anos esteve diversas vezes no País para observar a situação da poliomielite e outras doenças epidemiológicas, disse que "os relatórios encaminhados à Organização Mundial de Saúde apresentavam estatísticas duvidosas, o que somente agora eu posso confirmar".

Segundo o cientista, com base nesses relatórios, as autoridades sanitárias mundiais tinham a poliomielite como doença extinta em território brasileiro a partir de 1973. "Os números notificados entre os anos de 1969 e 1973 apontavam uma redução da poliomielite da ordem de 86 por cento, fato somente conseguido em nações desenvolvidas da Europa e nos Estados Unidos; essa redução, porém, era incorreta", declarou Sabin.

Ouvidos ontem, os ex-ministros da Saúde do governo Médici, Rocha Lagoa e Mário Machado de Lemos, procuraram refutar as acusações. Rocha Lagoa, que ocupou o cargo até 1972, afirmou, em Petrópolis, que o cientista "talvez tenha se equivocado com as datas". Machado de Lemos, que foi ministro de 1972 a 1974, negou que o Ministério da Saúde tenha divulgado, nesse período, que a poliomielite estava controlada no País.

Governo Médici acusado de ocultar poliomielite.

O governo do general Garrastazu Médici manipulou os dados referentes à saúde no Brasil, principalmente os que diziam respeito a surtos epidemiológicos, revelou ontem o cientista Albert Sabin. Segundo ele, que nos últimos 20 anos esteve no Brasil estudando casos de poliomielite e outras doenças epidemiológicas, "os relatórios encaminhados à Organização Mundial de Saúde apresentavam estatísticas duvidosas, o que somente agora eu posso confirmar".

Em companhia dos ministros Valdir Arcoverde, da Saúde, e Jair Soares, da Previdência Social, Albert Sabin observou que as autoridades sanitárias mundiais tinham a poliomielite como extinta em território brasileiro a partir de 1973. Naquela época, foram ministros da Saúde os sanitaristas Rocha Lagoa e Machado de Lemos.

No encontro com os jornalistas, quando foi anunciado o "Dia Nacional de Vacinação"- 14 de junho -, o cientista acentuou que "os números notificados entre os anos de 1969 a 1973 apontavam uma redução da poliomielite da ordem de 86 por cento, fato somente conseguido em nações desenvolvidas, como os Estados Unidos e países europeus; essa redução, porém, era incorreta".

Afirmando que "não entrarei no mérito da questão, pois é um assunto que não me diz respeito", Albert Sabin acrescentou que um estudo a ser desenvolvido brevemente nos escolares que nasceram entre 69 e 73 no Brasil "comprovará que a poliomielite não estava sob controle". A pesquisa, autorizada pelo ministro Valdir Arcoverde, apontará o que ele considera "poliomielite irresponsável", isto é, crianças com defeitos físicos que poderiam ter sido evitados se o governo "levasse a sério naquela época, como o quer agora, o assunto poliomielite".

Isso pode soar para o passado, mas a realidade é que quarenta e oito anos se passaram e as pessoas afetadas ainda não são adequadamente tratados. Com o advento do governo democrático não tomou qualquer ação corretiva para os sobreviventes da pólio. Os indivíduos afetados têm agora uma nova doença denominada síndrome pós-poliomielite, este é lentamente progressiva e incapacitante. Na revista The Lancet (2004/01/01) Xavier Bosch disse: Representantes de pacientes com síndrome pós-pólio (SPP) reuniu a 12 de Novembro [de 2003] no Parlamento Europeu, em Bruxelas, em resposta a transtornos entre os profissionais de saúde e políticos. Na reunião, que foi apoiada por 20 deputados, as organizações concordaram com a criação da pólio União Europeia para obter o reconhecimento e financiamento da comissão do Parlamento Europeu. Estima-se 250.000 pacientes com SPP na Europa e 20 milhões no mundo inteiro.

Embora a Organização Mundial de Saúde declarasse o Brasil livre da poliomielite, do outro lado da moeda é poucos profissionais de saúde, na prática, tenham visto algum caso de poliomielite aguda.

Na reunião realizada no Japão em 2005, o Brasil apresentou uma proposta de mudança para os pacientes que sofrem da síndrome pós-poliomielite "SPP", é essencial que esta, seja reconhecida como uma entidade de doença nova e a disponibilidade de uma classificação especificada na CID-10 para a aplicabilidade da assistência jurídica e social.

Considera-se que a síndrome pós-poliomielite é um quadro clínico incurável, irreversível relacionados com a disfunção progressiva das unidades motoras, não pode e não deve ser classificado como uma sequela de poliomielite. The Aftermath (ver dicionário / dicionário). No CID-10 poliomielite é prevista nos Códigos: A-80; A-80.0; 80,1 A-; A-80.2; A-80-3; A-80,4; 80,9 A e B-91, por isso não é possível classificar a síndrome pós-poliomielite como uma doença definida nessas categorias.

Após a reunião anual da Revisão e Atualização da Organização Mundial de Saúde, realizada em Nova Déli, durante o mês de Outubro de 2008, a Classificação Internacional de Doenças, versão 10 (CID-10), concedeu um lugar especial Síndrome Pós-Poliomielite (SPP), classificando-o no âmbito do "G14" e excluído do código B91 (sequela de poliomielite), e tornando-se parte das doenças do sistema nervoso central.

Mais uma vez estamos nas mãos de nosso destino, talvez seja uma questão muito complexa para lidar com isso.

Se um político ou jornalista não concorda com o refletido aqui, eu convido você para discutir o assunto abertamente.

Saudações

Nilson R dos Santos

SINDROME PÓS-POLIOMIELITE - Orientação Interna que trata do assunto e material técnico repassado aos peritos
A Síndrome Pós- Poliomielite (SPP) é uma desordem do Sistema Nervoso que se manifesta em indivíduos que tiveram poliomielite, após, em média, 15 anos ou mais, com um novo quadro sintomatológico: fraqueza muscular e progressiva, fadiga, dores musculares e nas articulações, resultando em uma diminuição da capacidade funcional e/ou no surgimento de novas incapacidades. Alguns pacientes desenvolvem, ainda, dificuldade de deglutição e respiração.

Nos casos em que o Perito Médico concluir pela existência de incapacidade laborativa para o trabalho, causada pela Síndrome Pós-Poliomielite- SPP, esta deve ser considerada como entidade mórbida diversa de sequelas pós-poliomielite, tendo em vista as características clínicas, principalmente o seu tempo de surgimento tardio, sobrepondo-se às sequelas consolidadas.

A solicitação de informações ao médico assistente e/ou parecer de especialista (neurologista, fisiatra), são instrumentos auxiliares para subsidiar a decisão médico-pericial.

Até que a Organização Mundial da Saúde inclua a SPP na Classificação Internacional de Doenças- CID, deve ser utilizado o código CID-10 - G 96.8.

Não existem estatísticas precisas sobre o número de portadores da síndrome pós-pólio no Brasil. Na verdade, só em 2010, a enfermidade foi incluída no Catálogo Internacional de Doenças (CID 2010), graças a um trabalho desenvolvido por pesquisadores brasileiros na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – Escola Paulista de Medicina (EPM) o qual criou o primeiro Ambulatório Especializado em Síndrome Pós Poliomielite na América Latina, sob a responsabilidade do Prof. Dr. Acary Souza Bulle Oliveira, Chefe do Setor de Investigação em Doenças Neuromusculares.

Na reunião realizada no Japão em 2005, o Brasil apresentou uma proposta de mudança para os pacientes que sofrem da síndrome pós-poliomielite "SPP", é essencial que esta, seja reconhecida como uma entidade de doença nova e a disponibilidade de uma classificação especificada na CID-10 para a aplicabilidade da assistência jurídica e social.

Considera-se que a síndrome pós-poliomielite é um quadro clínico incurável, irreversível relacionados com a disfunção progressiva das unidades motoras, não pode e não deve ser classificado como uma sequela de poliomielite. The Aftermath (ver dicionário / dicionário). No CID-10 poliomielite é prevista nos Códigos: A-80; A-80.0; 80,1 A-; A-80.2; A-80-3; A-80,4; 80,9 A e B-91, por isso não é possível classificar a síndrome pós-poliomielite como uma doença definida nessas categorias.

Após a reunião anual da Revisão e Atualização da Organização Mundial de Saúde, realizada em Nova Déli, durante o mês de Outubro de 2008, a Classificação Internacional de Doenças, versão 10 (CID-10), concedeu um lugar especial Síndrome Pós-Poliomielite (SPP), classificando-o no âmbito do "G14" e excluído do código B91 (sequela de poliomielite), e tornando-se parte das doenças do sistema nervoso central.

http://peritomed.files.wordpress.com/2010/09/outros_procedimentos_de_pm.pdf (pg 23-25).

ORIENTAÇÃO INTERNA Nº 143 INSS/DIRBEN, DE 19 DE JUNHO DE 2006.

Disciplina a conduta médico pericial relativa à Síndrome Pós-Poliomielite.

http://peritomed.files.wordpress.com/2010/09/oidirben143.pdf

MEMORANDOS SOBRE O TEMA S.P.P.

http://peritomed.files.wordpress.com/2010/09/mcgbenin01.pdf

http://peritomed.files.wordpress.com/2010/09/mcgbenin18.pdf

http://peritomed.files.wordpress.com/2010/09/mcgbenin06.pdf
Consideraria esta declaração precisa? A classificação internacional de doenças, modificações clínico é usado para codificar e classificar dados de morbidade dos registros de internação e ambulatório e escritórios de médico. Alguns países utilizam a décima revisão (CID-10 CM), enquanto outros, como os EUA e a Holanda não fizeram o switch da CID-9. A CID-9 cm (nona revisão), poliomielite aguda e os efeitos finais da pólio são CID-9 138. (Os Estados Unidos começará a uso oficial da CID-10 em 1 de outubro de 2013).
Códigos da CID-10 são:
Z24 - vacina contra a poliomielite e vacinação
A80-A80.9 - poliomielite aguda
B91 - seqüela de poliomielite (resíduos) substituindo 138 no CID-9.
G14 – síndrome poliomyelitic Post (declínio final). Grupos têm defendido por um código separado do declínio final separado de resíduos. Este código não está ainda no site do WHO.
Joan L. Headley
Executive Director
Post-Polio Health International
including International Ventilator Users Network
4207 Lindell Blvd., #110
St. Louis, MO 63108-2930
314-534-0475
314-534-5070fax
post-polio.org
Polio Place

ventusers.org
director@post-polio.org

Dr. Acary S. Bulle Oliveira . Neurologista responsável junto com sua equipe do setor Neuromuscular da UNIFESP pelo reconhecimento da Sindrome Pós Poliomielite pela OMS com o CID G14.

mfonsecca@hotmail.com.br;
https://www.facebook.com/partidodeinclusaosocialeassecibilidade






Qual a sua opinião?

O atual abaixo-assinado encontra-se alojado no site Petição Publica Brasil que disponibiliza um serviço público gratuito para todos os Brasileiros apoiarem as causas em que acreditam e criarem abaixos-assinados online. Caso tenha alguma questão ou sugestão para o autor do Abaixo-Assinado poderá fazê-lo através do seguinte link Contatar Autor
Já Assinaram
44 Pessoas

O seu apoio é muito importante. Apoie esta causa. Assine o Abaixo-Assinado.

Outros Abaixo-Assinados que podem interessar